‘O artista é uma potência na transformação’
17 de julho de 2015
A dona de casa…
21 de julho de 2015

XV

Foi um encontro inusitado, naquela manhã de sábado, porque eu não esperava o turbilhão. Mas a XV de Novembro é assim mesmo, a cada quadra, uma manifestação. Vi perucas coloridas, ouvi uma canção. As vadias vinham ao meu encontro! Mergulhei na atmosfera do desfile, emocionada, sorrindo e concordei com o que elas solicitavam e denunciavam à cidade. Nas palavras escritas em cartazes e nos corpos seminus, a expressão de liberdade, de ser dona de si, abria espaço. Mulher pode vestir-se como achar melhor e deve ser respeitada. Assim, passaram como uma enxurrada, aplaudidas, fotografadas.

Meu feminino se solidariza com todas as vadias, desde muitos séculos.

11411897_1084567784904761_2399512491029573809_o

Rua XV de Novembro – Rua das Flores, em Curitiba, Paraná, Brasil.Fotos por Rodrigo Gomes.

 

Segui em frente, ainda pensando nelas e deparei-me com uma tenda que mostrava fotos de animais maltratados/processados, antes de chegar “à nossa mesa”. Fotos horríveis! A tristeza reavivou a culpa pela responsabilidade de ainda consumir e trouxe novamente a ideia de não comer mais carne. A vaga sensação de enjoo me impeliu a sair logo dali.

A carne, de dois jeitos, passou por mim, naquela manhã. Em ambos é desejada.

Não se passa pela XV, incólume!

Comentários Facebook

comentarios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.