Precioso legado de Raquel Taraborelli que buscou em Monet sua inspiração

Arte salvou Kyoto na segunda guerra. Quem salvará os tesouros artísticos do Irã
10 de janeiro de 2020
Mulherzinhas
22 de janeiro de 2020
Exibir tudo

Precioso legado de Raquel Taraborelli que buscou em Monet sua inspiração

A arte se despediu há pouco (12/01)do melhor que o impressionismo brasileiro produziu. Raquel Taraborelli, uma engenheira que descobriu mais tarde que faria da sua vida a arte de viver, doou ao mundo não só seu talento, como pintora e jardinista, mas uma vida de surpreendente generosidade.

Interessante, o que me atraiu primeiro em sua personalidade foi seu lúdico jardim de dálias, rosas e lavandas – justamente minhas flores prediletas – publicado pelas melhores revistas da época! Imediatamente enviei-lhe um e-mail e perguntei sobre uma linda e delicada flor amarela que inundava a frente de sua casa que construiu em Votorantim-SP.

 

Ela, não só me respondeu como me enviou pelo correio, um envelope (que guardo até hoje) com as sementes do “velocino de ouro”, nome da flor encantada. Nasceu assim nossa amizade, muito antes inclusive, de eu pensar em fazer o curso superior de Belas Artes em Curitiba. Compareci, felizmente, para sua última vernissage na renomada Galeria André, em São Paulo (a qual lhe garantiu um sadio mecenato desde o  início de sua trajetória), como depois fui hóspede de sua vivenda linda em estilo provençal, onde tive o privilégio de ter, ao mesmo tempo, aulas quase exclusivas neste lugar de sonhos e o desfrute da beleza e dos aromas das flores de seu jardim que jamais pensei um dia conhecer.

Raquel também tinha hábitos que me surpreenderam: não via televisão (pois nada considerava melhor que fazer uso de uma vida mental saudável), se alimentava moderadamente, andava muito, inclusive fazia trilhas culminando em “flanar” pelo caminho de Compostela assim como acordava duas vezes por semana, às 04h00 da manhã, para servir café da manhã para “homeless” (sem-teto) de Sorocaba.

Nunca esqueci de um dia onde me disse que um “ministro” do STF lhe fez uma encomenda mas nem sabia quem era, pois não via TV, muito menos jornais, sendo que somente soube quem o sujeito era, por uma vizinha que lhe questionou o que a “autoridade” estava fazendo na residência dela. Coisas assim, bem Raquel. Também era muito simples no vestir e jamais alguém a reconheceria como a mestre do impressionismo brasileiro.

Nas aulas, era enérgica e me fez ver por outro olhar, desde as formas e cores até o percurso que meus pincéis deveriam seguir. Nunca esqueço do onírico azul hortência que me “obrigou” a utilizar em quase todos os movimentos de meu inesquecível aprendizado. Sem falar que a diva ainda dominava a aquarela como ninguém e não foram poucas as vezes que a vi, com autoridade, chamar a atenção de outros  seus discípulos.

Raquel era de uma persistência absurda no alcance da pincelada ideal, principalmente na busca das de Monet, seu paradigma confesso. Foi tanta resistência pictórica ao lugar comum, que foi várias vezes ao Museu Dorsay, em Paris, estudar passo a passo as pinceladas do mestre, onde através dos livros específicos franceses que comprava, analisava e rabiscava cada folha e flor pintada pelo gênio de Giverny!

Nada vi igual!

A par de sua personalidade forte, era muito sensível como me demonstrou na poesia que lhe fiz na sua última vernissage, fazendo uma postagem pública em sua página de artista, agradecendo o presente. Mal ela sabia que o presente maior era ter lhe conhecido. Raquel nos deixou um legado mas ao mesmo tempo um vazio profundo a ser preenchido. No entanto, como acredito que nada se perde, tenho certeza de que sua arte repercutirá no tempo e transcenderá os mundos, fazendo quem sabe, até Monet se curvar ao lhe receber de braços abertos…afinal, ela merece!

” T E U S . S A C R A M E N T O S

Qual natureza despenca em flores
Onde pétalas denunciam prantos
Senão as pinceladas de tua alma
Com o retrato de tua calma
Transbordando um painel de sentimentos…

Como num olhar vencido
Reinam em ti mil matizes de paisagens
Tecendo telas num desfile de imagens
Do melhor estilo ao tom da melhor obra
Sangrando cores num universo de momentos…

Testemunhando o belo sempre
Imaginando linhas a cada olhar
Traços firmes caminham teu trilhar
Eternizando lúdicos apelos
Transformando em fel o pior de todos os tormentos…

Credenciando nobreza em ti
Ao compor manhãs de corações prementes
Ao testemunho de sóis poentes
Tu fostes a escolhida entre tantos dons latentes
Luarizando sagas e venerando vidas com teus sacramentos…”

Novembro 18, 2014.
Suzel Koialanskas

 

 

Comentários Facebook

comentarios

Suzel Koialanskas
Suzel Koialanskas
Suzel Koialanskas é advogada e artista visual, formada pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná, em Superior de Pintura (Unespar). Também é poeta, faz crítica de arte, curadorias e exposições de arte pelo Brasil e exterior.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *