A inseparável Polaroid de Andy Warhol

Mai devi domandarmi
8 de fevereiro de 2019
Torre inacabada de igrejas já difundia o ‘jeitinho brasileiro’
26 de fevereiro de 2019

A inseparável Polaroid de Andy Warhol

Liz 1964 Serigrafia sobre papel

A fotografia instantânea foi fundamental para carreira de Andy Warhol e no início foi a principal fonte de rendimentos do artista. A inseparável Polaroid foi o primeiro fator para os retratos feitos em serigrafia do artista.

Autorretrato – 1966

“O procedimento de Andy Warhol para fazer um retrato era mais elaborado (…) Capturava muita fotos, escolhia uma imagem, cortava, modificava e maquiava para  pessoa parecer mais atraente possível. Resumindo, fazia aos outros aquilo que queria que os outros fizessem a ele”, Pat Hackett. Fonte: mostra de Andy Warhol em Roma.

Man Ray – 1974 Serigrafia sobre papel

Giorgio Armani 1981 Serigrafia sobre papel

Mário Valentino – 1981 Serigrafia sobre papel

Warhol realizou retratos fotográficos de protagonistas do mundo da moda como Gianni Versace, Valentino, Giorgio Armani; do cinema e do esporte, como Sylvester Stallone, Arnold Shwarzenegger, Muhammad Ali; homenageia artistas que mais gosta, Man Ray, Roy Lichtenstein, Francesco Clemente.

Drag Queen – 1975 Serigrafia sobre papel

Ladies e Gentlemen – 1975

Em 1974 seu trabalho é sobre a artista drag queen de uma casa noturna de Nova York, chamada Golden Grape, da qual surge a série fotográfica Ladies and Gentlemen.

“Alguns críticos dizem que sou uma pessoa nula e isso não ajudou em nada o meu sentido de existência. Depois me dei conta que a mesma existência não é nada e me senti melhor”

 

 

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma. Acredita nas palavras bem ditas ou 'benditas', ou seja, bem escritas, que educam, que seduzem pelos significados, pela emoção ao informar sobre a arte da vida que se manifesta nas relações afetivas, na criação artística, nos lugares, na natureza e na energia do Universo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.