Pela diversidade do nosso Brasil

Céu e inferno do surrealista Ismael Nery lembra o Brasil atual
18 de outubro de 2018
O homem que come gente. Abaporu
27 de outubro de 2018

Pela diversidade do nosso Brasil

Um Brasil de inclusão, onde todos tem um lugar.

A ilustração de Marcela Weigert representa o povo brasileiro. “Meu país é colorido e é lindo ver sua diversidade que deve ser sempre respeitada! Fiz esse desenho para os ativistas que lutam pela educação pública de qualidade em nosso país”.

Os seus desenhos, na maioria, tem o objetivo social de alertar sobre o preconceito, a violência e desigualdade social. Na ong Repórter Brasil, uma das contribuições para projetos de conscientização sobre direitos humanos foi ainda esse ano, com a elaboração do caderno que trata da migração como direito humano em São Paulo. Veja aqui. 

O desenho acima foi utilizado para um projeto de educação no Pará. A proposta era combater o trabalho escravo contemporâneo que exige constante fiscalização por parte da sociedade.

IBGE

A última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD) realizada no ano passado, pelo IBGE, revela que a população de negros aumentou no país, em 14,9%.

“Segundo a pesquisa, em 2012, quando a população do país era estimada em 198,7 milhões de pessoas, os brancos eram maioria (46,6%), os pardos representavam 45,3% do total, e os pretos, 7,4%. Já em 2016, a população saltou para 205,5 milhões de habitantes (aumento de 3,4%), e os brancos deixaram de ser maioria, representando 44,2% (queda de 1,8%).

Os pardos passaram a representar a maior parte da população (46,7%) –aumento de 6,6%– e os pretos são agora 8,2% do total de brasileiros”, fonte: O Globo

Mulheres

As pesquisas feitas pelo IBGE também apontam que as mulheres ganham menos que os homens. Ver matéria sobre o assunto aqui.  Além de ser um país que possui mais 6,3 milhões de pessoas do sexo feminino do que o masculino.

Panorama

Num rápido panorama podemos observar um país com diversas diferenças raciais e sociais. Os dados acima citados passam superficialmente pela situação de diversidade, ao qual apenas foi considerado a cor, a condição da mulher, sem entrar nos detalhes de etnias, deficiência, opções sexuais, situação econômica… Alguns desses grupos sociais são minorias numa comunidade e sofrem preconceitos inadmissíveis para o século XXI.

Apesar da diversidade, o Brasil é um país em que seu povo, até então, viveu de uma forma pacífica essas diferenças.

 

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma. Acredita nas palavras bem ditas ou 'benditas', ou seja, bem escritas, que educam, que seduzem pelos significados, pela emoção ao informar sobre a arte da vida que se manifesta nas relações afetivas, na criação artística, nos lugares, na natureza e na energia do Universo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.