Gustav Klimt e a alegoria do Friso de Beethoven

Por que eu acredito neste país
9 de junho de 2018
Galeria de arte em Viena promove artistas brasileiros
18 de junho de 2018

Gustav Klimt e a alegoria do Friso de Beethoven

A alegoria criada por Gustav Klimt no Friso de Beethoven, obra inspirada na 9a. Sinfonia, transformou uma simples sala em território sagrado. A busca pela alegria e o amor puro, passa pela fragilidade do ser humano, o mal, a doença e a morte, na poética de Klimt, em ritmo de adagio e allegro.

O bacana de apreciar uma obra de arte como essa, é se transportar no tempo e entender a razão pela qual foi criada. É como capturar a sua alma e viver a emoção do artista!

Homenagem a Beethoven

Quando o austríaco Gustav Klimt criou o Friso diretamente nas paredes da sede da Secessão, em 1902, a finalidade era homenagear o compositor alemão, num evento em que a peça central era uma escultura dedicada a Beethoven feita por Max Klinger, no salão maior do espaço.

A busca do ser humano pela pura felicidade foi a conexão entre arte visual e música, aliada ao poder criativo de Gustav Klimt, artista austríaco que introduziu a fase moderna arte vienense ainda no império.

São três paredes. Imagina-se no dia da abertura a música soava pelas paredes dando vida às ninfas que flutuam num espaço vazio, provavelmente imaginando o adagio. Um espaço livre tão importante quanto a pintura, significando a passagem do tempo. Figuras femininas e etéreas, delicadas aparecem logo em seguida de joelhos, suplicantes.

As súplicas do débil ser humano

Mulheres suplicando a uma figura masculina, a um mito heróico, um cavaleiro com armadura em folhas de ouro, cuja fisionomia foi inspirada nas feições de Gustav Mahler (compositor) e a armadura reproduz a do Arquiduque Segismundo del Tirol, exposta no Museu de História da Arte de Viena.

Esse personagem é resplandecente pelo dourado e algumas pedras semi-preciosas no cabo da espada e no capacete aos pés, representa a mesma humanidade, dotada de espírito e decidida ir em busca da felicidade pela arte.

A parede do meio é inteira pintada e de uma simbologia mitológica extraordinária. São as forças do mal com tons que predominam o escuro. Primeiro as três irmãs GorgonasMedusa, Esteno e Euríale, com cabelos de serpente, terrivelmente sedutoras, mas letais. Acima delas, a doença, loucura e morte, também representadas por figuras de mulheres.

Mitologia

O gorila, personagem central, representa também uma criatura mítica, Tifeu ou Tifão, que na mitologia grega era responsável pela destruição, ventos violentos. Klimt personificou-o como um gorila com os olhos de nácar esbugalhados para o público. Ao lado dele coloca a luxúria, o despudor e gula, representadas também por mulheres, a ruiva, a loira e a obesa.

A dor profunda

A ideia era mostrar nessa alegoria que o cavaleiro dourado teria uma missão quase impossível, considerando que poderia ser seduzido pela beleza e sensualidade, fascínio, e que nem os deuses poderiam superar a força de Tifeu, que estava envolvido pelos espirais de uma serpente e na lateral, ao lado extremo das irmãs Gorgonas, Klimt pintou outra figura de mulher representando a dor aguda, envolta em seu cabelo. Uma cena de desolação ao fundo com as serpentes enrodilhadas.

No final o Éden

No entanto, uma outra vibração harmônica aparece na terceira parede, no canto direito, acima. As ninfas flutuantes aparecem etéreas encontram-se com a música emocional, com a qual emerge a luz. Uma figura feminina parece tocar um instrumento musical. O ouro resplandece.

Allegro ao final

A sinfonia de Beethovem recupera o pulso, a grandiosidade, o allegro vibrante. Consciências são regeneradas e o Ode à Alegria aparece no abraço final do homem e da mulher, o sol e a lua – o Éden – a água em forma de ouro flui em torno do casal, unindo-os fundindo-os em alegria e amor. Fonte: Galeriadeartebarcelona

Se você leitor se envolver nas tramas dessa alegoria de Klimt, certamente, no momento em que estará imaginando-se dentro da sala da Secessão, será conduzido pelas pinceladas do artista, hipnotizado pela música emocional que resplandece com o brilho do dourado.

Pasmem! E pensar que os austríacos da Viena Imperial abominaram o trabalho de Klimt e o consideravam imoral. Um artista de extraordinária capacidade simbólica e  refinado em seu conceito.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma. Acredita nas palavras bem ditas ou 'benditas', ou seja, bem escritas, que educam, que seduzem pelos significados, pela emoção ao informar sobre a arte da vida que se manifesta nas relações afetivas, na criação artística, nos lugares, na natureza e na energia do Universo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.