Alfabetização midiática é o ensino do futuro

Galeria de arte em Viena promove artistas brasileiros
18 de junho de 2018
Nem Damien Hirst escapa do marketing digital
28 de junho de 2018

Alfabetização midiática é o ensino do futuro

Foto via site NiemanLab

As pessoas no futuro estarão mais aptas a identificar o que é falso e separar o que é verdadeiro nas informações veiculadas pela internet. Alfabetização midiática será um ensino tão importante quanto aprender a ler.

A preocupação está ganhando espaço entre os estudiosos em comunicação e o principal fator não é somente ensinar, sobretudo perceber quanto tempo é preciso para que as pessoas mudem de comportamento.

“A habilidade para analisar notícias objetivas precisa ser desenvolvida por conta própria … provavelmente precisa ser coordenada com a habilidade de analisar notícias baseadas em desinformação”.

NiemanLab

Uma matéria divulgada no Nieman Lab, assinada por do laboratório de jornalismo de Havard, trata de um programa desenvolvido na Ucrânia. O programa não só divulgou o sucesso em números de participantes, mas acima de tudo se preocupou em saber em quanto tempo os participantes conseguiram se ajustar à nova leitura das informações. Segundo as estatísticas, em 18 meses depois que concluíram o curso.

Learn do Discern

Learn to Discern foi o nome dado a ele, também conduzido por uma entidade sem fins lucrativos IREX, para educação global.  O programa foi desenvolvido com financiamento do governo canadense e apoio das organizações locais como Academy of Ukrainian Press e StopFake. A ideia era treinar treinadores, no qual 361 líderes comunitários receberam informações para promover a alfabetização midiática na comunidade.

Principais pontos

Em contraste com os cursos de alfabetização midiática mais tradicionais, o treinamento L2D focou especificamente em ensinar cidadãos a identificar fatores de manipulação e desinformação na mídia noticiosa. O currículo destina-se a fomentar habilidades de pensamento crítico, ensinando aos participantes não apenas a selecionar e processar notícias, mas também a discernir o que não consumir.

A formação foi para cidadãos formadores de opinião e adaptada às necessidades e interesses do seu local de trabalho ou redes comunitárias.

Aqueles que concluíram o treinamento de mídia quase não foram melhores em avaliar a história objetiva do que aqueles que não fizeram o treinamento. Este é um problema que já vimos antes: as pessoas não têm certeza de que podem confiar em qualquer coisa. (Apenas 25 por cento dos ucranianos dizem que confiam na mídia, de acordo com o IREX.)

“O maior desafio, na minha opinião, é ter muito cuidado entre aumentar o ceticismo saudável, mas não contribuir para a desconfiança geral”, disse Tara Susman-Pena, consultora técnica sênior do IREX, ao Slate. “Essa é exatamente a estratégia do Kremlin, para levar as pessoas a pensar, Oh, não existe tal coisa como verdade, não há fatos”.

“Há uma grande diferença entre o número de pessoas que se preocupam com notícias falsas e o que se disse que eles realmente viram.

Além disso, o Facebook procura contratar “especialistas em credibilidade de notícias”, e a Reuters tenta descobrir se sites altamente partidários estão ganhando força dentro e fora dos EUA (parece que eles não estão).

O fluxo crescente de relatórios e dados sobre notícias falsas, desinformação, conteúdo partidário e conhecimento de notícias é difícil de acompanhar. Este resumo semanal oferece os destaques do que você pode ter perdido.

A maior lacuna está entre a percepção e aquilo  o que as pessoas realmente vêem. ”O Relatório da Reuters Digital News de 2018 – que nós escrevemos aqui – inclui grandes seções sobre notícias falsas e desinformação.

Um exemplo:
– As pessoas se preocupam com notícias falsas, mas têm dificuldade em pensar em vezes em que realmente a viram”.

 

 

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma. Acredita nas palavras bem ditas ou 'benditas', ou seja, bem escritas, que educam, que seduzem pelos significados, pela emoção ao informar sobre a arte da vida que se manifesta nas relações afetivas, na criação artística, nos lugares, na natureza e na energia do Universo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.