Monet sempre marca presença nas primaveras européias

Antônio Nóbrega e sua arrebatadora música e dança
2 de maio de 2018
Mãos. ‘Imagem vale mais que mil palavras’
9 de maio de 2018

Monet sempre marca presença nas primaveras européias

As Rosas. 1925 - 1926. Claude Monet

O brilho da primavera européia estará sempre presente nas telas impressionistas de Claude Monet. E para quem deseja apreciar a arte de um artista que abriu a janela de seu atelier e deixou a luz e a cor entrar, a mostra Monet em Roma está especial. O pintor que imortalizou as Ninféias era fascinado pela natureza, sobretudo flores. “Amo a água, mas amo também as flores”, deixou registrado para a posteridade.

IMG_5931

Londres. O Parlamento. Reflexos sobre o Tamisa. Claude Monet – 1905

IMG_5945

Hoje, os recursos multimídia aproximam o amante da arte às telas famosas recriando para o observador os detalhes e a sensação de sentir-se parte da obra.

Se não é possível conhecer a casa e o jardim de Monet, em Giverny, na Normandia, ou apreciar os gigantescos painéis das Ninféias, no Museu L’Orangerie, em Paris, ao menos o visitante poderá ter a sensação de estar visitando esses locais com a força da imagem e a emoção da música ambiente.

Esse é a proposta da mostra Monet, no Complesso  del Vittoriano, Roma, que convida quem a visita, a percorrer um longo corredor simulando água no chão e o exuberante jardim do pintor em Giverny, nas paredes laterais. Ela permanece até 3 de junho.

IMG_5952

IMG_5909

No interior estão expostas 60 obras vindas do Museu Marmottan Monet de Paris, as mesmas obras que o artista conservava em seus últimos dias em Giverny e que foram doadas pelo seu filho Michel ao Museu.

Impressionismo

IMG_5947

Ponte Japonesa. Monet. 1918-1919

A visão do mundo impressionista compreendia o velho, o novo, natureza e indústria, beleza e banalidade e marcou o início da era moderna na arte. A invenção da fotografia certamente impulsionou as tendências deste movimento pictórico do século XIX e transformou o mundo.

IMG_5955IMG_5935

palheta, óculos e cachimbo do pintor.

O impressionismo empurrou o pintor para fora de seu ateliê e lhe mostrou o mundo real que precisava ser pincelado. Ao contrário daquele proposto pelos  delírios da aristocracia francesa e a competitiva e poderosa igreja católica européia (Itália, Espanha e Portugal).

IMG_5927

Efeitos do sol num entardecer. 1875

“ Escancararam as janelas e deixaram  entrar o sol e passar o ar”, escreveu Edmond Duranty em 1876, sobre as telas impressionistas.

Charles Baudelaire

Da mesma forma outro crítico e também poeta, Charles Baudelaire, deixou registrada a sua indignação sobre a fotografia e arte em cartas enviadas aos seus amigos.

“Como a fotografia nos dá todas as garantias desejáveis de exatidão (eles crêem nisso, os insensatos!), a arte, é a fotografia. A partir desse momento, a sociedade imunda pôs-se à rua, como um só Narciso, para contemplar sua imagem trivial sobre o metal”, disse ele.

Grande loucura industrial

IMG_5973

Mais adiante escreve que:

“ A cada dia a arte diminui o respeito por sim mesma, se prosterna diante da realidade exterior, e o pintor torna-se mais e mais inclinado a pintar, não o que sonha, mas o que vê. Entretanto, é uma felicidade sonhar, e seria uma glória exprimir o que se sonha; mas, que digo eu! 

Conhece ainda o pintor tal felicidade? O observador de boa fé afirmará que a invasão da fotografia e a grande loucura industrial são estranhas a este resultado deplorável? É permitido supor que um povo, cujos olhos se acostumam a considerar os resultados de uma ciência material, como os produtos do belo não acabe por ter diminuída, singularmente, ao fim de um certo tempo, sua faculdade de julgar e de sentir o que há de mais etéreo e imaterial?”, afirmou Baudelaire, durante o “Salão de 1859”. “O Público Moderno e a Fotografia./

Na antiguidade os pintores faziam o papel dos fotógrafos de agora e pela sua arte deixaram um testemunho da história da humanidade. O impressionismo é exatamente a transição entre a aceitação da nova tecnologia e a arte se adaptando às mudanças.

 Pensem qual seria a reação de Baudelaire hoje com os celulares e a explosão dos selfies!

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma. Acredita nas palavras bem ditas ou 'benditas', ou seja, bem escritas, que educam, que seduzem pelos significados, pela emoção ao informar sobre a arte da vida que se manifesta nas relações afetivas, na criação artística, nos lugares, na natureza e na energia do Universo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.