Pequena Tivoli é gigante em memória histórica
22 de fevereiro de 2018
Arte como testemunho da fé em Santa Sofia
2 de março de 2018

Tarefas pendentes para ser feliz

Ophelia (1851-1852 - John Everett Millais)

O sentido da vida é que a vida acaba. Faz muito tempo eu escutei essa frase por ai. Nunca melhor dito. Nunca melhor plasmado. Mas a verdade é que mesmo sabendo disso, evitamos esse tema como podemos. Passamos os anos pensando em quando realmente vamos ser felizes e quando vamos sentirmos completos. Mas poucas vezes pensamos no que devemos fazer para que isso aconteça.

Ora, quando pensamos nisso?

Quando fazemos aniversário ou quando vamos a um enterro. Essa semana curiosamente tive três em um: dois enterros e um aniversário de um amigo que começa a se dar conta que a vida passa muito rápido.

Difícil é tocar no assunto na correria do dia a dia. Difícil é fazer com que as pessoas realmente se deem conta que a vida passa… e os que sabem disso também sabem que passa rápido demais.

Me lembro uma vez de estar num bar conversando com um colega que tinha mais ou menos uns quarenta e poucos anos. Ora seu discurso… naquela sexta feira noite, na mesa de um bar, tomando uma cerveja, ele olhava nos meus olhos  e dizia… Dizia que no dia que ele pudesse se aposentar, quando esse dia chegasse ele não ia protelar nenhum dia mais a sua aposentadoria. Que queria parar de trabalhar naquele exato momento e ponto.

Esse fim de semana, em que ele me falou isso… me lembro que me senti meio mal. Por ele, pelos outros, pela vida em si. Quão injusto é a vida… ou não. Mas deixar que teus anos de vida vitais passem pensando que você quer que chegue a sua aposentadoria é muito triste. Esse momento foi tão melancólico para mim que pensava em muitas outras pessoas que estavam na mesma situação. Também pensava nos meus lindos 32 anos e se esse pessimismo não ia bater um dia na minha porta.

Como dizia Clovis de Barros Filho: “Vitória dos tristes, que querem que a vida acabe rápido! E ela vai acabar”.

A vida não é curta quando ela é bem vivida. O grande problema é que não sabemos o que é viver uma vida plena. Nem eu, nem você, nem ninguém. Tem alguns que dizem que tem o algoritmo da felicidade. Eu sinceramente não acredito nele. Eu acredito que a receita é diferente para todos… mas a única verdade, a única certeza que temos, é que a vida vai acabar para todos.

Nessa semana, com aquele meu amigo aniversariante, eu lhe coloquei um desafio. O mesmo que eu coloco para você, leitor das minhas divagações: Faça uma lista das coisas que você quer fazer antes de morrer. Faça uma lista de prioridades, de coisas que você faz hoje em dia e quer continuar fazendo, coisas que você quer fazer no futuro… coisas do dia a dia que você gosta e gostaria de fazer mais.

Pegue essa lista; coloque ponto por ponto como se fosse uma lista de tarefas. E pregue ela na geladeira. Ou no espelho do banheiro. No lugar que você passa todos os dias e sempre tem que olhar. Pegue essa lista e faça dela uma lista de tarefas pendentes.

Vamos chamá-la: TAREFAS PENDENTES PARA SER FELIZ… Porque é isso que queremos, não? Ser felizes… a vida plena é algo que temos que buscar diariamente. Não no futuro, não no passado. Só somos verdadeiramente felizes quando estamos vivendo o presente. Não quando pensamos o que foi, ou o que será, nem muito menos quando pensamos naquilo que podia ter sido.

Viver o presente é um trabalho de aceitação: aceitar quem você é, as escolhas que você tomou, no momento que você tomou, com as informações e conhecimentos que você tinha e pensar em quem você quer ser. A vida não dá margem para arrependimentos. E o futuro se constrói aqui e agora.

Para ser a pessoa que eu quero eu devo…

A lista de coisas a fazer antes de morrer não é uma lista de planos futuros. Senão uma semente de motivação para o presente. Construindo esses planos no hoje, você poderá chegar até ai. E para que isso ocorra, você deve pensar no que fazer para isso.

Quando penso nessa lista, penso numa série de coisas pequenas, não grandes… mas que me fazem feliz. Pintar e lixar moveis, comida com os amigos, café no fim da tarde, ver o nascer e o pôr do sol quantas vezes forem possíveis… estar em casa lendo vendo a chuva cair. Também penso nesses momentos em famílias em que todos rimos muito… ou numa tarde na praia ou na piscina, esse momento em que escrevo esse texto.

Sobre grandes coisas ou acontecimentos, pouco penso… penso muito em viajar e tenho listas de lugares que quero ir. Mas só o fato de tomar um chocolate quente no fim da tarde ou de estar estirada na grama com um bom livro, tomar um vinho, tudo isso já são motivos para que eu creia que o dia valeu a pena.

Se posso maximizar estes dias, por que não? Saber que a vida acaba é o primeiro passo para enfrentar os teus medos, desejos e inseguranças… Enfrentando-lhes você poderá fazer com que tudo isso se transforme em uma “potência de agir”… uma potência forte que lhe impulse a mudar e fazer de tudo para ser quem você realmente quer, antes que seja tarde demais.

Comentários Facebook

comentarios

Jaqueline D`Hipolito Dartora
Jaqueline D`Hipolito Dartora
Formada em Jornalismo na Universidade Santiago de Compostela. Jornalista por vocação, já viveu em muitos países (Brasil, Portugal, Inglaterra, Espanha), em busca de desafios. Atualmente trabalha no departamento de Marketing da Tyco Integrated Fire & Security (parte do grupo Johnson Controls) como Campaign & Sales Enablement Manager Continental Europe, apesar de que escrever é a sua verdadeira paixão. E o mundo do vinho também. Além disso, dedica-se a promover formas mais sustentáveis de vida, como o uso da bicicleta em Madri, colaborando com o blog "Muévete en Bici por Madrid". Colabora com alguns blogs e escreve contos em inglês, português e espanhol.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.