“Interpreti Veneziani” completam o charme da Serenissima

Arte de fazer rir da palhaça cheia de graça
9 de dezembro de 2017
Por que escrevo
15 de dezembro de 2017

“Interpreti Veneziani” completam o charme da Serenissima

Inesquecível é assistir a interpretação das Estações, de Vivaldi, pelas mãos talentosas dos Interpreti Venezini,na Igreja de San Vidal, em Veneza. O encontro com eles foi provocado por aqueles passeios sem roteiro definido ao preambular pelas pontes e vielas da Serenissima, sob o sol refletindo no Grande Canal e em suas construções repletas de histórias e arte.

IMG_3077

“Compre aqui seu bilhete para o concerto de hoje à noite”, dizia o cartaz na porta da Igreja…

Aquela energia contagiante de Vivaldi, a sua vivacidade em dar ritmo às Estações do ano, me atraiu para leitura do programa. Me rendi aos encantos do interior da Igreja e desembolsei 30 euros e garanti meu lugar no concerto daquela noite. A intuição mais uma vez acertou em cheio e a experiência irá permanecer para sempre no álbum de lembranças de uma viajante que ama arte e a música.

Paixão simbiótica

À noite a igreja estava lotada. O público fez silêncio e aqueles músicos começaram a tocar….

Exatamente, usei o verbo correto: a tocar no coração de todos ali presentes.

Éramos parte daquele interpretação. Nem respirávamos para não interferir no diálogo entre aqueles virtuose e seus instrumentos de corda. A simbiose era perfeita. Eles tocavam para si próprios como se o mundo se resumisse apenas na melodia executada. 

Os Interpreti Venezini quando definem Veneza mostram o orgulho e a mesma paixão desenvolvida pela música:

“Veneza é a única cidade do mundo que, desenvolvida de acordo com um código genético escrito além do tempo, permanecerá para sempre inconfundível em comparação a outros lugares no mundo; hoje, de fato, se parece como era em outra época, feita de ouro e pedra d’Istria, e suas salas monumentais continuam a preservar o talento e genialidade de artistas que o destino quis que se reunisse aqui para sempre.

Durante a sua vida, a Serenissima Republica era um laboratório de arte incrível: enquanto mentes excelentes projetavam e construíam palácios e igrejas, mãos experientes trabalhavam nos afrescos no interior que hospedariam depois lindas telas, violinos e violas nasciam nas oficinas de violino, nas pernas, nos salões, nos cinemas e em qualquer outro lugar, se propunham sinfonias, óperas, cantatas.

A música, sobretudo nos últimos séculos, se constituía a trilha sonora da vida cotidiana que transcorria  orgulhosa na sua auto-celebração.

Então vieram as eras das trevas: se a arquitetura e a pintura resistiram ao tempo graças à sua estrutura material, a música, feita de vibrações, desapareceu no ar, deixando Veneza para um destino desconhecido. A temporada de concerto “Violinos em Veneza” pelos intérpretes venezianos (Interpreti Veneziani) quer dar aos belos lugares uma nova e antiga harmonia, ao mesmo tempo. Propõe reviver o som de alguns instrumentos de prestígio, verdadeiras obras de arte reais, num ambiente carregado de história e grande beleza. É assim que em San Vidal a música barroca e as notas de Vivaldi se juntam aos lugares sagrados em que nasceram.

Um encontro entre música e outras musas, para poder criar aquele momento de perfeição que surge da simbiose de dois elementos que parecem ser feitos um para o outro.

Quem quer que seja e onde quer que você venha, seja bem vindo à ‘cidade harmoniosa’ “!

Interpreti Venezini

Uma meditação musical

É uma pena que os vídeos, as fotos,refletem uma parte do verdadeiro espetáculo ao vivo. Não importa. Essa tentativa de descrever e mostrar o virtuosismo desses músicos, é para dar ao leitor,  mesmo não estando presente, a oportunidade de viajar nas linhas da imaginação. 

 

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma. Acredita nas palavras bem ditas ou 'benditas', ou seja, bem escritas, que educam, que seduzem pelos significados, pela emoção ao informar sobre a arte da vida que se manifesta nas relações afetivas, na criação artística, nos lugares, na natureza e na energia do Universo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *