Descubra que existe magia no Natal
24 de dezembro de 2017
Muito além do olhar. Dar asas à imaginação
31 de dezembro de 2017

Balance 2017. Rumo 2018

Nascer do sol em Pézenas

Fim de ano e é hora de fazer balance. Tem gente que nunca faz isso, até porque se deprime com o ano que passou. Eu faço todos os anos, pelo menos para ter uma ideia de como foi, os aspectos que devem melhorar e as coisas que conquistei. No fim das contas sempre temos pontos positivos e negativos.

2017 está acabando e é hora da revisão. Essa frase parece fim de telecurso 2000 mas ela é séria.

Fazer balance não significa ver o êxito ou o fracasso que foi a ano anterior. Fazer balance significa olhar para trás e saber reconhecer tudo com humildade, visão crítica e olhar para frente sabendo o que devemos fazer para melhorar ou para manter aquilo que foi conquistado.

2016 foi um ano turbulento para mim. 2017 foi o grande êxito da minha vida, que não seria possível se eu não tomasse decisões no ano 2016. Fazia muito tempo que eu dizia pra mim mesma o que eu deveria fazer para ter uma vida satisfatória e de certa forma esse ano foi minha grande conquista.

Não conquistei grandes coisas na visão de outras pessoas: sigo no mesmo trabalho, não aumentaram meu salário, nem me deram uma super-promoção, coisa que aconteceu em 2016. No entanto, conquistei minha liberdade, meu saber estar só e feliz comigo mesma. Conquistei amigos, redescobri a escrita e a leitura, fiz voluntariado, viajei, aprendi francês, participei no projeto WWOOF, aprendi a fazer vinho, comecei uma pós-graduação em Marketing do Vinho e montei minha própria pagina web.

Li, li e li. Até agora levo um balance de 38 livros lidos no ano. E vou a caminho do número 39. Praticamente não vi TV, só o jornal. Voltei a fazer esporte: pilates, escalada e trilhas em paisagens lindos. Aprendi a dançar salsa… bom, só um pouquinho, e a desfrutar do nascer e por do sol.

Tive momentos conturbados também, de difícil digestão, mas que foram enfrentados da forma mais positiva que pude, e nisso ando muito orgulhosa. 2017 foi um ano que cresci como pessoa. E nisso, posso dizer que foi a grande conquista. A conquista que durante anos estava em busca e que não era capaz de fazer por algum motivo que me impedia. Esse ano foi redondo, bonito e feliz. Não estive doente nenhum dia, e até reduzi o colesterol. (risos)

Foi engraçado que ontem estive no médico fazendo minha bateria de exames anual. A enfermeira pergunta sobre tudo: hábitos saudáveis, comida, bebida, relações sexuais, problemas sociais, familiares ou laborais, etc, etc e tal. Depois de responder tudo, quando me perguntou sobre meu nível de auto-estima comecei a rir e disse:

-Nas alturas.

Quem lê isso deve pensar: que pretensiosa. Não vou negar. Minha grande pretensão de ser feliz faz com que a minha auto-estima esteja lá no céu.

2018 pode melhorar? Com certeza!!! Esse caminho não tem volta e como dizia Clovis de Barros Filho, para trás nem para pegar impulso. Agora tudo consiste em focar nos objetivos e nas realizações. Não que tudo seja fácil. Posso escrever esse post super feliz mas sei bem que chegar aqui não foi um mar de rosas… deve ser por isso que ando mais e mais feliz com o balance do ano.

Quando tudo vai bem é difícil ver o lado positivo, porque de certa forma damos por sentado que ele existe. Mas quando as coisas não vão bem e finalmente vemos a luz no fim do túnel, o prazer de sair dele é a eterna recompensa de quem sabe o verdadeiro significado da felicidade.

Não tenho mais que agradecer por esse ano, por tudo que passou e por todas as pessoas que estiveram sempre incondicionalmente do meu lado. Não tenho mais que agradecer por tudo que me deixaram fazer, e o muito feliz que fui. 2017 foi um ano intensamente vivido: cada hora, cada minuto, cada segundo. Quem sabe o ano que vivi mais o presente que ninguém. E o ano que esses minutos presentes foram realmente um presente.

Desafios 2018:  o mais difícil já está lançado – seguir com essa atitude positiva. Com objetivos e metas com certeza, mas desfrutando de cada pequena conquista, de cada pequeno detalhe, de cada minuto que me deram para tirar proveito dessa fração de tempo que chamamos vida.

Desejo-lhes, do mais fundo do meu coração um feliz 2018, cheio de alegria, paz de espírito, vinhos e muitos momentos de felicidade. Momento esses que não queremos que se acabe nunca, momentos que sabemos que dão significado a tudo aquilo que buscamos. Que a colheita 2018 seja próspera, e que plantemos muitas sementes de felicidade, amor e carinho nesse mundo desiludido com tudo.

Que a nossa vinda ao mundo não seja em vão. Que ela seja um pequeno átomo de felicidade que faça a diferença. Não pense grande, senão pequeno. Tuas pequenas atitudes diárias movem montanhas. Isso é o importante. Dar significado a esses pequenos momentos que os fazem sorrir.  Feliz e próspero 2018!!!

Comentários Facebook

comentarios

Jaqueline D`Hipolito Dartora
Jaqueline D`Hipolito Dartora
Formada em Jornalismo na Universidade Santiago de Compostela. Jornalista por vocação, já viveu em muitos países (Brasil, Portugal, Inglaterra, Espanha), em busca de desafios. Atualmente trabalha no departamento de Marketing da Tyco Integrated Fire & Security (parte do grupo Johnson Controls) como Campaign & Sales Enablement Manager Continental Europe, apesar de que escrever é a sua verdadeira paixão. E o mundo do vinho também. Além disso, dedica-se a promover formas mais sustentáveis de vida, como o uso da bicicleta em Madri, colaborando com o blog "Muévete en Bici por Madrid". Colabora com alguns blogs e escreve contos em inglês, português e espanhol.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.