Em nome da liberdade se aprisiona Queermuseu
19 de setembro de 2017
Artistas capturam Zeitgeist – o espírito do tempo na Bienal de Veneza
23 de setembro de 2017

Degustando vinhos por Languedoc Roussilon. Série WWOOF

Vida de wwoofers não é só trabalho pesado. Temos nossos momentos de descanso e momentos que de folga que compartilhamos sempre da melhor maneira possível.

21622173_10154997753700829_1285993438_n

Aqui na Grange de Bouys somos todos aficionados por vinho e umas das coisas que fizemos no nosso primeiro fim de semana de folga foi pegar o carro e ir por ai, para degustar os vinhos produzidos na região. A experiência foi um tanto peculiar: não pelo vinho em si, mas pelo inusitado de toda a visita.

Languedoc- Roussilon é um região vinícola da França, não tão conhecida e que se destaca principalmente por ter uma grande variedade de pequenos produtores com casas humildes e amor pelo que fazem.

 

As visitas que fizemos não foram a grandes Chateus maravilhosos como podemos encontrar em Bordeaux, Champagne ou Borgonha, que têm pessoas designadas para guiar você durante o roteiro mostrando o lindo das suas parreiras, a amplitude da sua Adega e terminando com a degustação de vinhos no restaurante da Adega.

Aqui, os produtores quando aceitam mostrar o seu vinho abrem, muitas vezes, a porta da sua casa. Muitos tem parcelas de vinhos espalhadas pela região, perto de casa mas não ao lado e geralmente utilizam a garagem, ou o porão como lugar para fabricar o vinho.

Isso não significa para nada que o vinho seja ruim ou de qualidade inferior. Tive o privilégio de comprovar por mim mesma que muitos vinhos produzidos assim, tem a mão do produtor em cada processo e a sua artesanalidade aporta um valor – “añadido” – adicionado que nem toda Adega grande faz.

Três lugares

Estivemos em três lugares diferentes. Dois deles fabricavam o vinho na sua casa e degustamos ou na cozinha ou no jardim, e outro tinha uma pequena adega no centro da cidade em que pudemos degustar e apreciar todo o processo do vinho na sua própria adega.

O melhor de tudo é que estávamos diante do próprio produtor, que nos apresentava a sua história e os seus vinhos com histórias completamente novas e inusitadas. Não havia pergunta que não pudessem responder: se notava que cada decisão foi tomada com muito critério e sabendo exatamente o que estavam fazendo.

21848962_10155019759315829_2100404190_n21903552_10155019759150829_1796563867_n

Mas Coris

Nossa primeira visita foi a Mas Coris com denominação de origem Languedoc e selo de vinho biológico. Provamos quatro vinhos, entre eles, brancos, rosés e tintos. Eu pessoalmente gostei mais do tinto e do branco jovem.

21849173_10155019759515829_1334889720_n

O produtor abriu a porta do seu estabelecimento só pra mostrar todo o processo como ele faz os vinhos e abriu garrafas novas pra gente provar. O lugar era simples, mas cheio de encanto. Pudemos perguntar sobre como ele fazia o vinho, a particularidade do vinho dele e todo o resto. Saímos com algumas garrafas, não todas que queríamos obviamente, mas o suficiente.

Deborah e Peter

21769812_10155019761705829_204903918_n

Segunda parada foi na casa de uns amigos de Stephane e Florence: Deborah e Peter que têm uma produção de vinhos maravilhosos chamado ‘Mas Gabriel’, um deles com 91 pontos obtidos pelo célebre crítico Robert Parker.

21769787_10155019761520829_717446741_n

Deborah e Peter são britânicos, radicados na França há anos. Eles têm toda a produção feita no porão da sua casa. Foi umas das degustações mais curiosas que já fiz em minha vida. Primeiro fomos conhecer a sua adega, onde a produção de 20 mil garrafas por ano em média eram produzidas.

21850204_10155019760980829_2064725986_n

O lugar era pequeno, mas acolhedor.

Uma das curiosidades foi ver pela primeira vez barris de concreto para estocar o vinho, em vez de aço-inoxidável.

21850292_10155019761340829_870054863_n

Ao lado deles, as barricas de carvalho ocupavam quase todo o lugar. Dalí, passamos ao jardim localizado no fundo da sua casa, onde nos sentamos numa mesa , debaixo de um toldo, onde íamos fazendo a degustação de cada um dos seus vinhos.

21850344_10155019761930829_1935449054_n

Não resisti e tive que comprar dois, um branco e um tinto, também sem carvalho. Quanto mais conheço os vinhos produzidos nessa região mais me convenço que a maioria deles realmente não precisa de carvalho para melhorá-los.

21849093_10155019763635829_1485555985_n

Deborah e Peter nos contaram que foi um dia jantando em alguma parte de UK que decidiram que iam ser produtores de vinhos.

Buscaram um lugar onde pudessem aprofundar seu conhecimento sobre a produção de vinhos e escolheram a Nova Zelândia como o lugar idôneo. Passaram ali uma temporada e ficaram amigos de produtores da região. Entre eles estava Britany, filha de um casal amigos de ambos que agora estava aqui região fazendo Wwoofing na casa deles.

Cristian
21903462_10155019766590829_1639410861_n

Por último visitamos a Cristian, uma adega que o Wwoofer alemão Tristan trabalhou anteriormente, proprietário do Domaine Baillat. Esta é outra experiência que vai ficar marcada na minha memória.

21903452_10155019768085829_1000480605_n 21905625_10155019767945829_233802199_n

Cristian também é um pequeno empresário, que vem se dedicando ao mundo do vinho há mais de 30 anos. Começou primeiro com o seu irmão e mais tarde seguiu sozinho no caminho da produção.

A casa de Cristian me faz lembrar muito a casa dos meus avós nos pampas gaúcho. Mobiliário simples, aconchegante e com sabor de saudades em todos os cantinhos.

Como todos produtores, começamos a visita pela sua Adega, que também encontra-se no porão ou garagem da sua casa. O lugar é bem maior que o lugar da Deborah e do Peter, também com cubos de concreto para armazenar o vinho; e de aço-inoxidável também.

21769801_10155019766735829_951488694_n21769954_10155019766635829_1983881773_n

Começamos a degustação ali mesmo, provando os vinhos diretamente dos cubos de concreto, de aço e do carvalho. Foi uma degustação super atípica porque de certa forma o vinho não está completo, nem perfeito, mas ao provar dali você tem a sensação de como um vinho pode evolucionar no seu processo até chegar a garrafa.

21905691_10155019768235829_408724570_n

Cristian se define como um contador de história, termo muito apropriado depois de ter passado tantas horas com ele na sua adega e na cozinha. Entre taças e taças passamos momentos inesquecíveis de sorrisos, risadas. Sua forma de contar a história do seu vinho, de como chegou ali, de como tomou as suas decisões nos envolve de uma tal maneira que fica difícil dizer adeus a tamanha experiência.

Significado do pequeno empreendedor

Esses três produtores, viticultores, são um imperativo do trabalho que significava ser pequeno empreendedor: gente que se sacrifica muito para se dedicar a um negócio apaixonante e que nem sempre tem retorno imediato sobre aquilo que está fazendo.

Fiquei impressionada em ver como essa gente, com um sorriso singelo e sincero são capazes de cativar-nos nesse pequeno momento que compartilhamos. São pessoas dedicadas de corpo e alma ao seu negócio, e com capacidade para levar esse amor transformado em garrafas a muitas partes do mundo.

Toda a sorte do mundo

Desejo a estes três produtores toda sorte do mundo na sua jornada, porque na suas mãos, nos seus olhares e nos seus sorrisos pude captar a essência de cada um deles. A simplicidade do seu negócio. A artesanalidade do seu vinho aporta mais valor a cada garrafa que se abre e se compartilha.

Languedoc- Roussillon sem dúvida é uma região única na França para quem quer conhecer profundamente vinhos originais, artesanais e sem dúvida inesquecíveis.

Vino, vidi, vici.

Comentários Facebook

comentarios

Jaqueline D`Hipolito Dartora
Jaqueline D`Hipolito Dartora
Formada em Jornalismo na Universidade Santiago de Compostela, Jaqueline se identifica como escritora e "vinalogadora". Atualmente dedica-se ao marketing e a comunicação, promovendo eventos que conectam e promovem o diálogo entre o vinho e as artes em geral. Têm também vários projetos paralelos relacionados com as letras e o mundo do vinho. Promove formas mais sustentáveis de vida, sendo uma ativista do uso da bicicleta na cidade e de uma vida mais saudável, lenta e meditada. No seu tempo livre realiza trabalhos voluntários em Vinícolas ecológicas e (WWOOF) y recentemente criou o blog Vinálogos. Colabora com alguns blogs, lojas de vinho, e escreve contos, relatos, ensaios em inglês, português e espanhol.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *