Artistas capturam Zeitgeist – o espírito do tempo na Bienal de Veneza

Degustando vinhos por Languedoc Roussilon. Série WWOOF
21 de setembro de 2017
Fazendo vinho. Série Wwoof
29 de setembro de 2017

Artistas capturam Zeitgeist – o espírito do tempo na Bienal de Veneza

Video instalação do artista argentino Sebastián Diaz Morales. Suspension. 2014

O espírito do tempo está explícito nos pavilhões que representam os países na Bienal de Arte de Veneza, na Itália. O Zeitgeist que Hegel, Heder, Klotz, e outros sábios alemães, usaram como termo para definir a cultura, o clima intelectual de uma época é visível demais, para quem visita o Giardino.

Viva a Arte Viva é o tema desse biênio, que se encerra em 26 de novembro.  É uma exclamação, uma expressão da paixão pela arte e pela figura do artista.

 A 57a. edição reúne 120 artistas convidados, 86 países presentes nos históricos pavilhões, no Giardino (parque), no Arsenale e no centro de Veneza. Dentre esses, estão três brasileiros e também foram incluídos três países novos, Antigua e Barbuda, Kiribati, Nigéria.

Artistas, sempre visionários, dialogam por intermédio de suas pinturas, esculturas, vídeos e instalações e apresentam o espírito da época.  A leitura feita por eles nem sempre é bonita, embora extraordinariamente bela no seu conceito mais profundo!

Giardino

IMG_3657

Fica a critério de cada visitante escolher o início do percurso ou pelo Giardino ou Arsenale. Comecemos, então, pelo Giardino.

Coreia, Japão, Alemanha, Venezuela, Rússia

Os pavilhões da Coréia, Japão, Venezuela e Suíça estão mais ou menos num mesmo sentido, isto é na mesma direção espacial dentro do Giardino, embora cada qual com a sua identidade cultural. É nesse aspecto que se repara o espírito do tempo e as diferenças dentro de cada contexto étnico.IMG_3168

IMG_3179

O pavilhão da Coréia que apresenta o tema Conterbalance, pelos artistas Cody Chol e Lee Wan, esforça-se para responder a seguinte pergunta: como a história individual se relaciona com histórias nacionais.

Como a nossa compreensão desta dinâmica no contexto coreano pode ser relevante para o resto do mundo e esclarecer o futuro. A exposição é estruturada em torno de três quadros geográficos: Coréia, Ásia e o mundo e coloca na balança as tradições antigas e os reflexos da tecnologia.

IMG_3220 IMG_3206

Alemanha em suas formas transparentes, sem obras, oferece todos os dias uma apresentação adaptada para arte, Fausto, por Anne Imhof, que recebeu o Leão de Ouro (mas nem sempre o horário coincide para assisti-lo).

O próprio Goethe trabalhou por mais de 60 anos, transformando-o no símbolo do homem moderno, pronto para vender sua alma para alcançar resultados pessoais.

É a segunda vez que a Alemanha tem um pavilhão sem trabalho, sem o fetiche do objeto.

IMG_3171

O Japão esse ano não usa cores intensas como o vermelho do artista Shihary Shiota, na bienal passada com The Key in the Hand ( A chave na mão). Mas o tema é tão intenso no sentido da poética e estimula à reflexão.

O artista Takiro Iwasaki, que nasceu e cresceu em Hiroshima, dentro de um contexto delicado, coloca a sua cultura flutuando no tempo e a destruição com o homem ao centro.

Hiroshima que se foi e uma cultura que permanece flutuando na memória dos que viveram a devastação.
IMG_3276

Venezuela homenageia o arquiteto que construiu o pavilhão no Giardino em Veneza, Carlo Scarpa.

O pavilhão tem 61 anos de construção e foi restaurado como foi concebido por Scarpa. Se analisa o jogo de luz e sombra da ‘magnífica obra do arquiteto’.

“Em um momento em que se lançam tantos e tão graves acusações e demonizações, nada melhor do que a crítica de arte, implacável e absoluta para esclarecer os horizontes”. Diz um dos cartazes.

No interior são colocadas obras do poeta e artista visual Juan Calzadilha.

IMG_3286

A Rússia trouxe para os visitantes um misto de tecnologia avançada e uma crítica velada à sociedade moderna, em especial ao estilo e regime que representou seu país por muitos anos.IMG_3146

‘Em mudança de cena’, fala-se sobre o tempo e que o arcaico emerge no contemporâneo.

“Na história, o novo está sempre preservado a memória do velho. Os gregos recordam os egípcios, os romanos, os gregos, e os homens do Renascimento até agora.

As mais audazes inovações da modernidade pegaram liderança por meio das tradições e das imagens das culturas antigas. As colisões entre o arcaico e contemporâneo é dedicado o meu trabalho”. Grisha Bruskin.

IMG_3148

Austrália e Estados Unidos

IMG_3261IMG_3260

Austrália em ‘Meu Horizonte’ traz a poética da artista Tracey Moffatt, sob a curadoria Natalie King. Tracey se fixa na ‘linha onde o sol beija o mar’. São imagens de fotografia e vídeo em que a artista descreve o momento em que se alcança os próprios limites e nesse mesmo momento a superação deles.

O vídeo motiva pela montagem que Tracey faz usando a expressão de artistas famosos de pasmos e olhando assustados aos refugiados que estão chegando num barco de resgate.

IMG_3265 IMG_3266

“Em realidade, requerentes de asilo não é um caso atual: é velho como o tempo. Ao longo da história em todas as culturas, as pessoas estão sempre fugindo além das fronteiras na busca de uma nova vida”. Tracey Moffatt.

Austrália é um país que também recebe muitos forasteiros em busca de uma nova vida.

IMG_3132

No pavilhão americano EUA não se entra pela frente. Está fechado.

A porta de entrada é pela lateral, na qual precisa ser espremer e abaixar para evitar bater em uma grande esfera-instalação, como metáfora o contraste entre aqueles que vivem na ponta e o poder cada vez mais centralizado e iminente.

Dentro, o artista Mark Bradford destaca a figura feminina, como a escultura Medusa.

As três pinturas cercam uma escultura central intitulada Medusa, feita com cordas embrulhadas pretas, para formar um tríptico clássico e contemporâneo em torno do tema da representação feminina.

IMG_3118 IMG_3123

Essa Medusa talvez seu próprio país, que devora pelo olhar. A proposição de um altar envolvido pelo petróleo. Quem sabe…

Brasil, Egito, França

IMG_3332

O pavilhão do Brasil me deixa sempre com algo mais que precisa ser dito.

Não sei se porque vivo em território brasileiro e sinto que as obras representam apenas uma parte do que é esse gigante território. Cinthia Marcelle, em Chão de Caça, traz a violência como tema.

Aliás, isso é Brasil, sim. Mas há quase três bienais consecutivas portamos a violência, os nossos problemas sociais ou o passado opressor. 

 

IMG_3330

Certamente, temos muitas pedras e espinhos em nosso chão, sobretudo agora num momento político instável. No entanto, possuímos também, talvez, a maior diversidade étnica desse planeta convivendo num espaço único, num território que abraça diferenças culturais.

Essas diferenças carregam, às vezes, preconceito ou não, com alegria ou tristeza, de norte a sul. Falta… algo fica entalado na garganta quando o visito!

IMG_3348

IMG_3351

Egito apresenta um vídeo de 12 minutos, cujo tema é A Montanha, do artista Moataz Nasr. O destaque é a figura feminina que retorna à sua aldeia depois de ter estudado na cidade. A comunidade agrícola é simples e cheia de medos do demônio que vive na montanha.

A mulher encarna a liberdade e tenta destruir o mito.  O que representa, na verdade, são os dois mundos distintos que fazem parte da vida do Oriente. A crença ingênua e poderosa e a liberdade do conhecimento. Mas deixa no ar se essa liberdade consegue destruir o mito do demônio…

IMG_3241

IMG_3239

A França esse ano está mais lúdica e dentro de um contexto real. Em Studio Venez_.a, Xavier Veilhan, imagina um ambiente total. “Uma instalação imersão, que revive do universo de estúdio de gravação a inspirar-se na obra pioneira de Kurt Schwitters, o Merzbau (1923-1937).

Músicos vindos de horizontes diversos são convidados a ativar a escultura estúdio de gravação que se coloca como suporte à criações deles durante os sete meses da bienal. O pavilhão propõe uma fusão entre as artes visuais e música, fazendo referências não só Bauhaus e as experiências do Black Mountain College, mas também a Station to Station de Doug Aitken”.

Essas rápidas e superficiais apresentações sobre alguns pavilhões dão uma ideia do universo rico em imagens e símbolos dentro da arte contemporânea.

A liberdade é o impulso que move o artista sem fronteiras ou limites. 

 

 

 

 

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma. Acredita nas palavras bem ditas ou 'benditas', ou seja, bem escritas, que educam, que seduzem pelos significados, pela emoção ao informar sobre a arte da vida que se manifesta nas relações afetivas, na criação artística, nos lugares, na natureza e na energia do Universo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.