Um espetáculo de feiras livres no Brasil

Evitem a flacidez espiritual
8 de junho de 2016
Beijar bem é arte também
13 de junho de 2016

Um espetáculo de feiras livres no Brasil

As feiras livres desse nosso país tropical, sobretudo no norte e nordeste são inesquecíveis e únicas.

Coloridas e bizarras são as particularidades que saltam aos olhos na entrada da Feira do Alecrim, em Natal, Rio Grande do Norte, e na de Maceió, próximo ao Mercado Municipal.

IMG_0085

Essas feiras livres brasileiras são verdadeiros espetáculos,exuberantes nas cores das frutas, fartura nos cereais, ervas medicinais e carnes de toda as espécies, enfim gêneros de primeiras necessidades.

img_0048

Em Maceió, Alagoas, a feira é permanente e se estende por praticamente uma quadra, perto do Mercado Municipal.

Carne, panela, velas, roupas, mandinga de candomblé, tudo em uma grande mistura

Lá se vende carnes, ervas, verduras, panelas, roupas, velas e mandingas do candomblé, tudo espremido em diversas barracas que criam entre si ruelas escuras, misteriosas, que atraem o visitante a percorrer e captar imagens dessa arte genuína que representa o “ser”  e o “ter” de um povo que vive em outro Brasil.

dsc01411

Poderá ser surpreendido com o tintilar de panelas penduradas  sob o toldo das barracas ou se encantar com as mais extravagantes ervas medicinais, unguentos, pomadas, garrafadas, sabonetes, com a promessa de curar todas as doenças do mundo.

IMG_0106

Barracas sagradas que ofertam sabedoria trazida pelos índios, os nossos pajés que detém o conhecimento das plantas curativas brasileiras, infinitas e muitas ainda desconhecidas, muitas roubadas pelos estrangeiros, cascas, folhas, raízes, flores aos borbotões, que deixam no ar um cheiro gostoso da clorofila da vida.

IMG_0098

As bananas às pencas, enfeitam e dão um toque especial na barraca. De todos os gostos, verde, amarelinha, com ou sem pintinhas. A fartura impera para o cliente escolher.

IMG_0121

Alecrim

A Feira do Alecrim, em Natal, Rio Grande do Norte, é realizada todos os sábados e está localizada em um dos bairros mais antigos da capital Potiguar.

IMG_0051Cantada em cordéis, a feira é também um espetáculo que choca quando os visitantes se deparam com inúmeras barracas de carnes cruas, ou de sol, de todas espécies expostas,  ou que encanta quando sentem o cheiro de frutas e folhas no ar  e se deparam com o colorido e a diversidade de espécies tropicais.

img_0094

Rio Grande do Norte é um grande produtor de frutas, desde as mais comuns, banana, caju, abacate, abacaxi, manga, até as mais exóticas como seriguela, cajá, imbu, graviola, entre outras.

“Amigo vou lhe dizer, ouvinte vou te contar. Se arrume pois sábado vamos juntos passear, e na feira do Alecrim maravilhas vou te mostrar”.

Com esses versos o poeta cordelista Elinaldo Gomes de Medeiros, o “Boquinha de Mel”, inicia a história da feira do Alecrim contada em um dos seus cordéis intitulado “A feira do Alecrim homenageia seus heróis”. Transcrito do Jornal a Tribuna do Norte.

Olhar Crítico

IMG_0082

As feiras livres no mundo estão resistindo no tempo e desafiando os gigantes do consumo, os supermercados com suas prateleiras inodoras  e insalubres.

IMG_0104

Essa tradição é uma força viva, imagem cultural de um povo ao demonstrar a forma de “ser” e de “viver” das pessoas daquele lugar.

Para perceber basta passear tranquilamente com olhar que transita entre o poético e a pesquisa e observar o que é mais destacado no local, os tipos de frutas ou verduras mais expostas, que cereais são consumidos, como as pessoas colocam à venda, gritam as promoções ou silenciosas mostram as etiquetas dos preços, e muitos outros detalhes que é possível sentir aguçando o olhar.

Isso é arte culinária!

IMG_0093

O exercício sensorial e artístico de ir a feira livre fazer compras deve ser herança passada de mãe para filha, ou filho, para que este hábito se perpetue no tempo.  Entre as feiras mais extravagantes do mundo, o Mercado das Bruxas, em La Paz, na Bolívia, está em primeiro lugar.

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma. Acredita nas palavras bem ditas ou 'benditas', ou seja, bem escritas, que educam, que seduzem pelos significados, pela emoção ao informar sobre a arte da vida que se manifesta nas relações afetivas, na criação artística, nos lugares, na natureza e na energia do Universo.

Os comentários estão encerrados.