Cem beijos mais célebres ditados pelos artistas

Vamos restituir a dignidade do ócio
1 de janeiro de 2016
O que está oculto na Catedral de Chartres
6 de janeiro de 2016

Cem beijos mais célebres ditados pelos artistas

A publicação italiana ‘100 Baci ditelo con l’arte'( 100 beijos ditados pela arte) reúne os mais célebres beijos pincelados por artistas famosos ao longo da história da arte. Uma preciosidade impressa que chama atenção pelo refinamento dado ao tema.

 IMG_6939

Frases poéticas

Quase todas obras são acompanhadas de uma frase poética, como a reprodução de Agnolo Bronzino, Alegoria do Triunfo de Vênus (1540 a 1545) – que se encontra na National Gallery, em Londres, com a  frase de Vincenzo Cardarelli – O amor queima a vida e faz voar o tempo’.

Mesmo não sendo possível encontrar  uma versão em português, a coletânea, um pequeno livro,  pode ser encontrada em lojas de souvenires de museus italianos, ou comprado pelo site da editora  Giunti.   A pesquisa de texto é de Chiara Senesi e gráfico de Lorenzo Pacini.

IMG_6941

Gustav Klimt, O Beijo, (1907- 1908), Galeria Belvedere, Austria

IMG_6942

Henri De Toulouse -Lautrec, No leito, O Beijo, (1892), Museu D’Orsay, Paris

“Os cem beijos mais célebres da história da arte, mas também os mais ternos e apaixonados, contados pelos grandes mestres da pintura e da fotografia, acompanhados pequenos trechos de escritores famosos sobre o beijo e o amor. Uma coleção de beijos de artistas, de Raffaello a Kimt, de Munch a outros mestres do século 20 por exprimirem com arte a doçura do amor”.

IMG_6936

René Magritte, Os Amantes (1928) Nova York, Museu de Arte Moderna

‘Se o amor é cego, tanto melhor, é de acordo com a noite’. William Shakespeare.

IMG_6940

Constanti Brancusi, O Beijo, (1916), Museu de Arte, Filadéfia.

Quando procuras sinceramente o amor, pensas que ele o esta esperando. Oscar Wilde.

IMG_6943

Polifemo e Galatea (45-79 D.C.) Museu Arqueologico de Napoles.

IMG_6944

Wlliam-Adolfhe Bouguereau, Amor Fraterno (1815), Museu das Finas Artes, Boston

IMG_6934

Antonio Canova, Amor e Psique (1797), Museu do Louvre.

E muito mais…

 

 

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma. Acredita nas palavras bem ditas ou 'benditas', ou seja, bem escritas, que educam, que seduzem pelos significados, pela emoção ao informar sobre a arte da vida que se manifesta nas relações afetivas, na criação artística, nos lugares, na natureza e na energia do Universo.

Os comentários estão encerrados.