A melhor foto de quem habita no fundo do mar

Rendas que enfeitam o Brasil da mulher rendeira
15 de janeiro de 2016
O Riacho do Vale Ihlara
18 de janeiro de 2016

A melhor foto de quem habita no fundo do mar

  Uma enguia em estágio larval foi a obra prima do concurso de fotografias do 2015 Ocean Art Underwater Photo Competition. “Feeling Exposed”, de Jeff Milisen, ganhou o primeiro lugar na categoria macro. No total foram 12 categorias que dividiram o prêmio em dinheiro de 70 mil dólares. Os vencedores foram divulgados nesta primeira semana de janeiro.

O concurso, em seu quinto ano, atraiu participantes de mais de 50 países e é uma iniciativa do Guia de Fotografia Subaquática.  Os juízes foram fotógrafos subaquáticos profissionais e o editor do guia, Scott Gietler.

A foto de Jeff Milisen foi tirada à noite, a quatro mil pés, na costa de Kailua-Kona, no Havaí. Segundo o fotógrafo, a imagem foi captada quando mergulhava com um membro da família Roddenberry (donos da franquia de entretenimento, Star Trek), para mostrar o desfile de animais esquisitos e exóticos subaquáticos e foi quando a enguia passou por eles, naquelas águas negras.

O estômago externo ajuda os peixes em desenvolvimento cresceram tão rápido quanto possível. O editor do guia, Gietler, disse que um flagrante como este é muito difícil de encontrar e que Milesen é um verdadeiro vencedor.

Milisen acrescentou: “Foram quatro mergulhadores aquele dia e tivemos mais de mil mergulhos em águas negras e nenhum de nós tínhamos visto algo igual”.

3--underwater-photos--160108Os habitantes do fundo do mar desafiam a estética nas formas e cores e vão muito além da nossa imaginação. É mundo à parte que hoje, graças à tecnologia, podemos apreciar pelas lentes sensíveis de um fotógrafo apaixonado pelo tema.

Globicephala melas

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma. Acredita nas palavras bem ditas ou 'benditas', ou seja, bem escritas, que educam, que seduzem pelos significados, pela emoção ao informar sobre a arte da vida que se manifesta nas relações afetivas, na criação artística, nos lugares, na natureza e na energia do Universo.

Os comentários estão encerrados.