O período do Natal traz a alma à superfície

Surrealismo explicado em dois minutos e 10 pontos
21 de dezembro de 2015
A lenda da capela segundo um bugre. Transcrito por Sebastião Paraná – 1899
28 de dezembro de 2015

O período do Natal traz a alma à superfície

O Natal é um período de contemplação e reflexão, um momento em que as pessoas trazem a alma à superfície. O biólogo inglês Rupert Sheldrake, autor de diversos livros, entre eles ‘Caos’, ‘Criatividade’ e o Retorno do Sagrado’, disse certa vez, numa entrevista, que há muitas formas de tocar ou invocar a alma.

A meditação, toque de tambor, o canto, o ato de escrever, a pintura, a composição musical, as visões de grande beleza, a oração, a contemplação, os ritos e rituais e até mesmo ideias arrebatadoras e disposições de ânimo estão entre as sugestões dele. “Todas elas são convocações psíquicas que chamam a alma da sua morada até a superfície”, garantiu.

Os estudos de Sheldrak – conhecido por sua teoria dos campos morfogenéticos (memória coletiva), pesquisa em telepatia entre outras questões relativas à mente – é apresentar uma visão científica da parte espiritual existente em todos os seres vivos.

A sua grande busca é saber onde termina o território cinzento do cérebro e começa o espaço luminoso da mente.

Para ele, o bloqueio para a evolução desses estudos, a confusão atual, começou no século XVII, com René Descartes (1560-1650), que esvaziou a noção da alma e colocou em seu lugar uma mente racional em mínima interação com o cérebro, através da glândula pineal, que está localizada no centro da cabeça e, que, na antiguidade era entendida como a sede da alma.

Para a ciência, esta conexão entre a matéria e o espírito ainda é um mistério e os avanços nas pesquisas são tímidos para dar respaldo ao homem envolvido no caos da vida moderna, que ele mesmo constrói e alimenta dentro de uma visão cartesiana e lógica.

Independentemente, as religiões se mantém ao longo do tempo e oferecem ao homem o alimento que necessita para o fortalecimento da alma. Porém, na bagagem histórica destas religiões, muitas vezes, existem marcas sangrentas de poder e manipulação.

A soprano norte-americana Jessye Norman diz que não gosta do termo religião, que hoje, devido a sua má interpretação está associado a dogmas que excluem outras crenças e geram intolerância. “Sou alguém que se esforça e trabalha duro. Faço apenas aquilo que amo, que me atrai, e dou o melhor que tenho.

O meu limite é a imaginação e acredito que a arte pode ajudar pessoas a exprimirem o que sentem”, disse numa entrevista publicada no Estado de São Paulo, quando visitou o Brasil, em fevereiro de 2002.

Portanto, seguindo a linha do raciocínio científico de Rupert Scheldrake sobre as formas de chamar a alma pela oração, meditação, ritual, é possível aproveitar este período em que se festeja, no mundo ocidental, o nascimento de Jesus, mestre das religiões cristãs, para conectar-se com a parte luminosa da mente.

Além disso, mirar-se no exemplo da soprano, no sentido de fazer o que se ama e dar o melhor de si mesmo, tendo como limite a imaginação, sem se perder em dogmas e intolerâncias. Enfim, buscar a arte como forma de expressão dos sentimentos.

Para lhes desejar um bom Natal, o site pan-horamarte oferece dois vídeos de missas cantadas, um  na Igreja de Santa Maria Maggiore, em Roma, Itália, e outro na Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, Salvador, Bahia, Brasil, sendo que essa última representa a força do sincretismo religioso e a emoção com que se eleva a espiritualidade em duas crenças com rituais tão diferentes. É belo!

novas 215

Cristo em mosaicos do Museu de Santa Sofia, Istambul, Turquia

E por fim, depois de trazer a alma à superfície se elevar na contemplação da imagem de Jesus feita em mosaicos  do Museu de Santa Sofia, em Istambul, na Turquia, que, ao longo da história abrigou duas crenças opostas. O olhar de Cristo, na obra em mosaicos, segundo os turcos, nos acompanha em todas direções.

novas 177

Mosaicos do Museu de Santa Sofia

Três magníficos monumentos históricos artísticos que de qualquer forma são válidos como espaço para chamar a alma `a superfície, embora tenham sido construídos, por um lado, com objetivo de demonstrar poder, ostentação, com a riqueza de alguns e pobreza de outros, porém, por outro lado, pelas mãos sensíveis e criativas de artistas que delinearam, esculpiram, pincelaram em suas obras o melhor de sua criatividade interior. O importante é apreciar o que surge com a beleza, que aliada à música estimula o retorno ao sagrado e proporciona paz interior.

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma. Acredita nas palavras bem ditas ou 'benditas', ou seja, bem escritas, que educam, que seduzem pelos significados, pela emoção ao informar sobre a arte da vida que se manifesta nas relações afetivas, na criação artística, nos lugares, na natureza e na energia do Universo.

Os comentários estão encerrados.