Homenagem à Terra pela arte de dois menestréis

Sobre a hospitalidade dos simples…
23 de abril de 2015
Lágrimas de papel
24 de abril de 2015

Homenagem à Terra pela arte de dois menestréis

Por Lucia Helena Fernandes Stall – No Dia da Terra, quero mencionar dois artistas que falam com o âmago da Terra em suas obras. Primeiro Mia Couto, para mim um dos maiores escritores contemporâneos com seu livro Terra Sonâmbula, uma narrativa da catastrófica guerra em Moçambique, com uma narrativa  diferente que mistura um pouco do mágico (realismo fantástico) e a linearidade tradicional, revelando uma devastação e morticídio sobre uma terra de sonhos, a África.

Mia Couto/ Foto Internet

Mia Couto/ Foto Internet

 

O início da narrativa mostra de antemão o que vamos encontrar nas entranhas do livro, “um ônibus incendiado, um diário perdido, e um menino aventureiro e sonhador tentando neste caminho encontrar a paz na Terra. Percurso difícil, que com maestria Mia Couto nos conduz, sempre com a Terra presente.

400px_CP0049_01_66b

Foto por Sebastião Salgado. Êxodus

 

O outro artista é Sebastião Salgado que na primeira parte do filme “Sal na Terra”, nos remete à Africa demolida pelas guerras, uma das fotos impressionantes percorre uma estrada totalmente coberta de corpos inertes dos africanos dizimados.

Gênesis/Sebastião Salgado

Gênesis/Sebastião Salgado

A Terra sempre presente na obra dos dois artistas. No primeiro a revelação de um continente cheio de enigmas, o outro a apresentação de um Planeta onde os homens habitam o desconhecido. O Planeta com suas entranhas mais profundas. Hoje, homenageio a terra através destes dois menestréis.

1

Comentários Facebook

comentarios

Lucia Helena Fernandes Stall
Lucia Helena Fernandes Stall
Lucia Helena Fernandes Stall é uma pesquisadora e amante da arte, mas percorreu outro caminho profissional. Formou-se em em Direito na UFPR, hoje advogada acredita que sua profissão também não deixa de ser a arte da defesa dos direitos do homens. 'Não sou nada.Nunca serei nada.Não posso querer ser nada.À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo", Fernando Pessoa (A Tabacaria).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *