China emerge na Bienal de Curitiba

Larmes d'or - Anne Marie Zylberman
Lágrimas de emoção fortalecem a nossa existência
25 de novembro de 2017
O almoço dos barqueiros - Auguste Renoir
Em busca da felicidade
30 de novembro de 2017

China emerge na Bienal de Curitiba

Galaxy K - Wang Kaifang. Aço inoxidável folheado a ouro 24k.

Galaxy K - Wang Kaifang. Aço inoxidável folheado a ouro 24k.

China emerge no cenário da capital paranaense, mas desta vez é pela arte contemporânea e não pelo poder econômico. A Bienal Internacional de Curitiba, na edição de 2017 homenageia o país que fez parte da Rota da Seda no passado e hoje é o emergente que mais deu certo da sigla BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China) no contexto mundial.

É na penumbra do Olho, no Museu Oscar Niemeyer, que luzes dirigidas destacam as obras  selecionadas pelo Governo chinês para serem apreciadas pelos brasileiros . Obras que expressam ainda que de forma sutil, valores estéticos de uma China, com suas imemoriais raízes taoístas, nas pinturas sobre seda, nas esculturas feitas com minúsculas peças e nos precisos e calculados desenhos geométricos. Sem instalações ousadas tão comum na poética artística contemporânea.

Transgressão de Wang Chengyun

DSC02172

Sem a transgressão crítica como a do artista chinês Wang Chengyun, que na Bienal de 2013 apresentou a China transformada pelo “fast-food”, ou melhor deformada na fisionomia, numa gigantesca tela intitulada Grande Utilidade – Comer /2012. Chengyun viveu na diáspora e depois de 15 anos retornou ao seu país e encontrou um povo ansioso e inseguro diante das transformações sócio-políticas.

Antípodas

Em Antípodas (opostos em localização), o tema proposto pela curadoria da Bienal de Curitiba  para essa edição, a mostra Vibrations é oficial e na busca do contemporâneo comportado traz embutido os valores tradicionais da cultura chinesa: a seda, alegoria, lendas e símbolos.

201309221831051566

Wang Kaifang Photos: Billie Feng

Em Galaxy K, o artista Wang Kaifang, emprega o ouro brilhante para expressar a missão misteriosa e a energia milagrosa do ouro e inspirar o público a refletir sobre a verdadeira essência do universo terrestre e espiritual.

IMG_4986

Boyish, tinta sobre seda, trabalho de Yang Kai.

 

IMG_5053

Artista Huan Wei, obra Hu Mei. Seda.

IMG_5004

Liang Shaoji, Window. Madeira e casulo em seda.

IMG_5058

Jian Jiangbo, China Market Project, fotografia.

IMG_5028

Detalhe do trabalho de Wu Jian’an, Sevem Layered Shell. Couro bordado com fio de latão e seda.

A mostra Vibrations, mesmo inserida num evento contemporâneo, carrega a memória de uma cultura milenar ainda presente na essência de um povo, cujo poder do país se lança com voracidade à conquista do futuro.

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma. Acredita nas palavras bem ditas ou 'benditas', ou seja, bem escritas, que educam, que seduzem pelos significados, pela emoção ao informar sobre a arte da vida que se manifesta nas relações afetivas, na criação artística, nos lugares, na natureza e na energia do Universo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *