O movimento surrealista permanece no tempo e no imaginário das pessoas por traduzir o desejo de liberdade interior oculto na alma de cada um de nós.

O surrealismo é um movimento artístico-literário que nasce oficialmente na França, em 1924, e se desenvolve no intervalo entre as duas grandes guerras mundiais.

Os tempos conturbados e inseguros dos anos 20, entre guerras, alimentam às mentes sensíveis a necessidade de liberdade. André Breton, o criador do movimento, elaborou um manifesto, que define as características do movimento nos seguintes termos:

“Automatismo psíquico puro, através daquilo que nos propomos a exprimir, com as palavras ou escritos ou de outras maneiras, o real funcionamento do pensamento. Comando do pensamento sem qualquer controle exercido pela razão, sem preocupação estética ou moral”.

Os destaques nos temas da arte surrealista são ligados ao amor, à liberdade dos vínculos sociais pelas regras, mas sobretudo pelo universo surrealista ligado ao sonho e à loucura, que são evidentes nas obras de Salvador Dali.

15 de abril de 2015

Considerações sobre Picasso e Bosch

A  obra de Picasso “Cabeça de Cavalo”  foi o início do esboço de “Guernica”. Guernica é uma cidade basca que sofreu em abril de 1936 ,um […]
12 de outubro de 2015

Frida Kahlo e artistas mexicanas surrealistas numa mostra inesquecível

Frida Kahlo Conexões entre Mulheres Surrealistas no México”  foi uma mostra  inesquecível. Apresentada em São Paulo,  não se prendeu somente às obras de Frida Kahlo (1907-1954), […]
21 de dezembro de 2015

Surrealismo explicado em dois minutos e 10 pontos

A racionalidade às vezes nos deixa cegos. Parece um paradoxo mas não é e nem era para Breton, Dali, Magritte, Miró, Ernst e os outros artistas […]
21 de dezembro de 2016

O fascínio de Dalí pela pintura em três dimensões

A fascinação de Salvador Dali por criar ilusões óticas utilizando a ciência e a técnica é o destaque da mostra apresentada na cidade natal do artista […]
28 de dezembro de 2016

Surrealismo às avessas do ano que vai embora

Provavelmente André Breton está revirando no túmulo junto com Dalí, Miró, Magritte, com a comparação entre o surrealismo e  2016. Sem desmerecer o movimento, que marcou […]