Filmes de Pasolini não perdem a atualidade

René Magritte
L’isola del tesoro, 1945
Olio su tela, 60 x 80 cm - Collezione privata
Dada e surrealismo: uma filosofia de vida
18 de julho de 2017
Orloj - Relogio Astronomico de Praga - Foto: Jaqueline D'Hipolito
O tempo – provando coisas novas
27 de julho de 2017

Filmes de Pasolini não perdem a atualidade

O cineasta italiano Pier Paolo Pasolini (1922-1975) pode ser visto como um dos mais importantes intelectuais do século 20.

Vale a pena rever fatos que marcaram sua contraditória carreira: de um lado cineasta, artista, poeta e escritor, reconhecido pelo seu talento e, de outro, um marxista engajado, um crítico mordaz da burguesia que escancarava, sem pudores, o sagrado e o profano da sociedade italiana.

O cineasta foi assassinado numa praia perto de Roma que permanece até hoje um mistério. A tese é de um crime sexual atribuído ao homossexualismo de Pasolini,embora inúmeros documentários e livros tentarem demonstrar que o crime, nunca esclarecido, foi o resultado de um complô mafioso ou político para calar o incômodo crítico da política italiana, sobretudo na coluna “Escritos corsários”, publicada no Corriere della Sera, nos dois últimos anos de vida. Seu amigo e escritor Alberto Moravia, sugeriu um crime político:

“Uma sociedade que mata seus poetas é uma sociedade doente”.

A crítica ácida e refinada de Pasolini incomodava sempre e no artigo “O vazio do poder na Itália ou O artigo dos vaga-lumes ( Il vuoto del Potere in Italia ovvero L`articolo delle lucciole), publicado em 1975, o escritor já dizia que na Itália existia um dramático vazio de poder.

“O ponto é que não é um vazio de poder político no sentido tradicional, mas, um vazio de poder em si”.  Luiz Nazario , em seu blog, faz uma boa análise sobre o papel político de Pasolini.

 

Com este perfil intelectual Pasolini produziu obras-primas do cinema italiano que merecem ser assistidas a qualquer tempo.

Filmes de Pasolini

“O Evangelho Segundo Mateus”, 1964, trata da vida de Jesus de maneira antidogmática.Um filme que sofreu diversas censuras e era visto como uma blasfêmia pela Igreja e alguns setores da imprensa.

Em o documentário  “A raiva”( La rabbia), em 1963, Pasolini inclui uma poesia dedicada a Marilyn Monroe, meses depois da artista ter sido encontrada morta por ingerir doses excessivas de barbitúricos. Neste filme, Pasolini coloca em debate as contradições de uma sociedade de consumo e o mundo dos negócios.

“Discursos do Amor”( Comizi d`Amore), o cineasta faz uma fotografia da Itália e da sua relação com o erotismo e a religião. De gravador em mãos ele perguntou diretamente aos italianos, jovens e idosos, o que achavam do sexo e do amor e encontrou respostas que até hoje ainda permanecem no inconsciente coletivo da sociedade italiana, que tem suas raízes no rigor de uma religião, o catolicismo, que na Idade Média castrou a libido de seu povo para eliminar da memória a devassidão dos últimos dias vividos como império romano.

 O filme Teorema, de 1968, entre os mais aclamados, retrata e critica as instituições italianas de forma sutil, por intermédio da história de um individuo e a sua influência em uma família burguesa.

Quando foi assassinado estava escrevendo e seu último trabalho, o livro Petróleo, mesmo inacabado foi publicado em 1992. 

 Olhar Crítico

Pier Paolo Pasolini foi uma artista que esteve à frente de seu tempo e representou bem o clamor dos movimentos pós-guerra, em busca de uma sociedade mais justa, de respeito ao planeta e livre de preconceitos.

Denunciou as artimanhas do poder e a manipulação de massa. No dia dos mortos de 1975 seu corpo foi encontrado massacrado na praia de Ostia e um delinquente Giuseppe Pelosi assumiu a responsabilidade do crime.

Pasolini foi calado pelos poderes que ainda dominam o mundo. Um crime que jamais será esclarecido porque é assim que funciona o espetáculo da vida: com o silêncio dos inocentes.

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma. Acredita nas palavras bem ditas ou 'benditas', ou seja, bem escritas, que educam, que seduzem pelos significados, pela emoção ao informar sobre a arte da vida que se manifesta nas relações afetivas, na criação artística, nos lugares, na natureza e na energia do Universo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *