O que não fizeram os bárbaros fizeram os Barberini

Cepa (vid) 
Foto: Rômolo D'Hipolito
Por que o vinho e a literatura têm tudo a ver
14 de abril de 2017
Caminho num Jardim Público. Museu Kröller-Müller Orttelo
Lições sobre arte pelas obras de Van Gogh
21 de abril de 2017

O que não fizeram os bárbaros fizeram os Barberini

Giuditta che taglia la testa a Oloferne. Caravaggio 1598-1599

Giuditta che taglia la testa a Oloferne. Caravaggio 1598-1599

Já diziam os romanos que os tesouros de Roma ou foram saqueados pelos bárbaros ou pelo Papa Urbano VIII.

Palazzo Barberini - Roma

A frase é em latim e conhecida dos romanos tradicionais que fazem uma sátira quando se referem ao Palácio Barberini, localizado no centro de Roma. O local hoje foi transformado em galeria de arte.

“Quod non Fecerunt Barbari Fecerunt Barberini” traduzido para o português significa: “O que não fizeram os bárbaros fizeram os Barberini”.

Traduzindo é mais ou menos assim, o que não foi saqueado pelos bárbaros na invasão, foi levado pela família Barberini na época do Papa Urbano VIII, entre 1623 a 1644.

Pasquino, a estátua falante
Pasquino a estátua falante de Roma

Pasquino a estátua falante de Roma

O dito popular foi escrito na Idade Média e colocado pela população de Roma na estátua “Pasquino”, como forma de protesto contra as atitudes do Papa. A escultura existe e está em ruínas, localizada próximo na Piazza Navona. 

Durante o período temporário de dominação papal, os habitantes de Roma esperavam o escurecer para pendurar na estátua piadas, cartazes e versos contra aqueles que detinham o poder.

Um Papa nada justo
Papa Urbano VIII- Gian Lorenzo Bernini

Papa Urbano VIII- Gian Lorenzo Bernini

Maffeo Barberini – o Papa Urbano VIII – não era considerado pelo povo italiano, na época, um “papa justo” porque favorecia somente os membros da família ajudando-os a enriquecer cada vez mais.

O descontentamento da população era baseado no fato de que o Papa saqueou obras de arte e materiais preciosos da história romana.

De acordo com relatos do escultor Bernini, o pontífice apoderou-se das traves de bronze que sustentavam os pórticos do Pantheon. Ele as substituiu com traves de madeira de carvalho. A original serviu para construir 80 canhões para o Castelo Sant’Angelo.

Papa Urbano também autorizou a construção do gigantesco Baldaquino na Basílica de São Pedro, que até hoje não foi terminado.

Essa é apenas uma das inúmeras histórias que se conta de “boca em boca” entre a população romana. A estátua Pasquino está localizada perto da Piazza Navona e é conhecida como a “estátua falante de Roma”.

Legado inestimável
Interior do Palácio Barberini

Galeria no interior do Palácio Barberini

Histórias à parte, é importante destacar que o legado artístico deixado no Palácio Barberini é inestimável. O prédio foi projetado pelo arquiteto Carlo Maderno no pontificado de Urbano no século XVII. Mais tarde foi construído de fato como obra dos jovens arquitetos Bernini e Borromini.

Atualmente a Galeria Nacional do Palácio Barberini abriga importantes coleções de pinturas datadas dos séculos XII ao XVII.

Caravaggio e El Greco

Para os fãs de Caravaggio a tela “Judite e Holofernes” vale a visita ao local. Uma das obras-prima do artista italiano, retrata a raiva e determinação de uma jovem ao matar seu algoz e compõe o jogo de cores e sombra do mestre.

El GrecoEl Greco está presente com as obras Batismo de Cristo (1546) e Adoração dos Pastores (1548).

A luz prateada, o intervalo colorístico preparado para resfriar os tons, as pinceladas rápidas, o uso do claro-escuro são fortes contrastes típicos da forma pintar do espanhol El grego.

O afresco “O Triunfo da Divina Providência”que decora o grande salão do Palácio foi encomendado pelo papa e realizado pelo pintor e arquiteto Pietro da Cortona. A cena central, cujo tema é nome do afresco, representa a Providência envolta num manto dourado.

Está sentada numa nuvem e tem a cabeça circundada com um alo de luz. É um afresco pleno de simbologia com figuras que representam a prudência, justiça, misericórdia, verdade e beleza.

Afresco magnífico
Pietro de Cortona Divina Providencia

Pietro de Cortona Divina Providencia, obra do grande salão do Palácio

É sem dúvida um afresco esplendoroso que enche os olhos de quem ergue a cabeça e aprecia o teto ao entrar no salão.

Uma herança que o mundo moderno agradece ao papa que esqueceu do seu povo, embora soubesse apreciar na arte as virtudes que ele deixou de praticar na vida real: justiça, misericórdia e verdade.

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma. Acredita nas palavras bem ditas ou 'benditas', ou seja, bem escritas, que educam, que seduzem pelos significados, pela emoção ao informar sobre a arte da vida que se manifesta nas relações afetivas, na criação artística, nos lugares, na natureza e na energia do Universo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *