Da janela indiscreta às flores nas janelas que revelam o morador

3
O dia que cruzei com Deus
19 de janeiro de 2017
images (1)
No Brasil o surrealismo passou rápido
24 de janeiro de 2017

Da janela indiscreta às flores nas janelas que revelam o morador

janela4

As lentes da máquina não são mágicas e nem conseguem saber mais.

Essa janela aberta, diante de outra janela, desperta a curiosidade de quem está do outro lado descobrir quem é o moço que trabalha com persistência para deixar a casa pronta  para o morador se instalar.

Flagrante feito por Mari Weigert, em Roma (2012), Itália, de uma janela para outra.

janelas1

Uma janela que revela a alegria de seu morador nas traquitandas escolhidas para colorir e celebrar a chegada da primavera e do verão na Europa. Foto por Mari Weigert, Murano (2012),Itália.

janelas3

Não faltam flores a essa janela que devem encher de alegria o coração de quem vive na casa. Foto por Mari Weigert, Amélia, Itália (2012).

janela2

Abaixo a ditadura da estética arquitetônica e viva a roupa lavada que seca pendurada no varal da janela da fachada da casa para aproveitar o sol benfeitor.As fachadas antigas italianas não respeitam isso não!  Seus moradores alheios às pieguices da modernidade aproveitam os raios de sol para deixar a roupa limpa, seca e cheirosa. Quem foi o arquiteto que começou com a história de não permitir varais pendurados na janela. São tão especiais que dão colorido e autenticidade à paisagem urbana. A simetria cansa os olhos.

janelas7

Cadê as flores?

Fotografar janelas é fascinante porque deixa o fotógrafo viajar pelas lentes e na imagem captada imaginar quem é o dono da janela que deixa a luz entrar naquela casa…

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma. Acredita nas palavras bem ditas ou 'benditas', ou seja, bem escritas, que educam, que seduzem pelos significados, pela emoção ao informar sobre a arte da vida que se manifesta nas relações afetivas, na criação artística, nos lugares, na natureza e na energia do Universo.

Os comentários estão encerrados.